>

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Uma pizza de muçarela, por favor!


A lógica duvidosa de uma das mais conhecidas pegadinhas da Língua Portuguesa


Por Bruno Rodrigues


 
Estranhou o título do artigo? “pizza de muçarela”. Você também não sabia? Pois é. Mas o que está dicionarizado é “muçarela”, “mozarela” e até “muzarela”. Nenhum verbete “mussarela” é encontrado nos dicionários, muito embora esteja em todos os outros lugares. Estranho, não é? Como é que deixaram “mussarela” de fora, se é uma palavra escrita por 101% da população brasileira? No mínimo, os que elaboram os dicionários estão bem equivocados. Se a maior parte da população escreve “mussarela”, por que então não incluí-la em seus dicionários? A opção de escrevê-la com “ss” seria uma a mais; dessa forma, teríamos quatro opções: muçarela, mozarela, muzarela e mussarela. Simples assim! Se existem três outras opções, por que não incluir a que realmente usamos? E não me digam: “Ah, porque a língua é assim!” Não, não é. A língua é “mussarela”, porque nós (o povo - quem faz a língua) escrevemos mussarela. E não é o povo que alguns podem pensar... São todos: garis, professores, professores universitários, advogados, médicos, secretários, bombeiros etc.
Dílson Catarino
Dílson Catarino é
professor de gramática
da língua portuguesa,
literatura e redação,
desde 1980. Graduado
em letras e pedagogia, ele
tem pós-graduação em
psicopedagogia. É criador e
mantenedor, desde 1999, do
site Gramática On-line (www.ramaticaonline.com.br).
Seu pequeno artigo sobre
a palavra muçarela pode ser
encontrado no link:
http://vestibular.uol.com.
br/pegadinhas/mucarelamozarela-
ou-mussarela.jhtm
Ainda tem mais: ortografia não é língua, é decreto. É uma lei. Por isso, não pode ser considerada língua. Então, já que é uma lei, poderia ser facilmente incluída a forma mussarela. Vamos a um trecho do livro do Instituto Antonio Houaiss, Escrevendo pela nova ortografia: como usar as regras do novo acordo ortográfico da língua portuguesa:
“(...) compete ao poder público oficializar mudanças nas convenções ortográficas, mas tais alterações não significam mudanças linguísticas, já que, por mais que possa refletir em parte o sistema de sons da língua, a ortografia não faz parte desse sistema. Unificação ortográfica nada tem a ver com uniformização da língua. As línguas são como são em virtude do uso que seus falantes fazem dela, e não de acordo de grupos ou de decretos de governo” (grifo meu).
O mais engraçado é que, para justificar somente as três formas dicionarizadas, dizem que há uma regularidade na nossa língua de passar o “z” para “c” e “ç” (exemplos: feliZ > feliCidade; atroZ > atroCidade etc.), mas não passam “pizza” para “piça”. Alguém poderia dizer: “Mas se fosse pra mexer em pizza, teria que ser pitça”. Pode até ser, mas não seguiria o padrão de mozzarella em muçarela – não escrevemos mutçarela. Ainda continuamos escrevendo “piZZa” – muito embora, em Portugal, esteja oficializada “piza” (dicionário da Porto Editora). Não que eu ache interessante seguir um uso europeu, só estou dizendo que lá eles não seguiram essa padronização de mudança de “z” para “ç” - simplesmente suprimiram um “z”: piZZa > piZa. Isso se justifica porque na língua portuguesa há uma tendência a não duplicar consoantes, então tira-se uma delas e pronto... mesmo que em português não tenhamos o som de “tç” para “z” (pronunciamos “pitça”, fiel à pronúncia italiana do “zz”). Entre ficar mozarela (ou muzarela) e muçarela, o mais coerente ainda é com o “ç”, porque não temos palavra portuguesa em que o “z” tenha som de “ç” entre vogais (bons exemplos disso são as palavras “azarado”, “nobreza”, “baliza”, “globalização”... Viu? Nenhuma dessas tem som de “ç”).
De acordo com Dílson Catarino : “Talvez, como a palavra italiana tem dois ‘zês’, nós, brasileiros, tenhamos simplesmente os trocado inadvertidamente por dois ‘esses’. É, porém, inadequado ao padrão culto da língua escrever mussarela”.
Eu acredito ser muito mais razoável acreditar que o uso do “ss” em mussarela se deu por ter o mesmo som de “ç”, e não por a gente achar que como tem “zz” na palavra italiana devemos manter a duplicação de consoantes. Ou seja, acredito que o “ss” se deveu muito mais à semelhança fonética do que gráfica.
Enfim, basta que alguém passe a caneta e registre mussarela (forma que todos nós brasileiros usamos)... Mas aí teriam uma pegadinha a menos para colocar nas provas de concurso, não é mesmo?

Bruno Rodrigues é estudante de Letras Português/Inglês do Centro Universitário Cesmac, Maceió, Alagoas. http://linguanamadrugada.blogspot.com

Saiba +
Escrevendo pela nova ortografia: como usar as regras do novo acordo ortográfico da língua portuguesa
Autores:
Instituto Antônio Houaiss e José Carlos de Azeredo
Páginas: 136
Editora: Publifolha




Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 40 - 2011
Aspectos da Trajetória do Planejamento Urbano no Brasil
Conhecimento Prático Geografia :: Capa :: Edição 40 - 2011
Aquecimento Global: A politização da ciência
Conhecimento Prático Geografia :: Reportagens :: Edição 40 - 2011
O Ensino de Cartografia na Era da (Geo) Informação

Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 17 - 2009
Por uma reflexão sobre o nascimento da filosofia da arte
Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 20 - 2009
Educar para transformar
Conhecimento Prático Filosofia :: Reportagens :: Edição 17 - 2009
O conhecimento artístico
Conhecimento Prático Filosofia :: Idéias :: Edição 17 - 2009
Epicurismo: o prazer como missão

Nenhum comentário: