>

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A BANHISTA

.



Por Airton Soares

Ela, que tanto aprecia a multidão, desta feita resolveu ensimesmar-se e curtir o mar sem a presença de inquietações e rumores humanos.

"O mar, mesmo agitado, é um grande mestre." Seria esse um dos seus pensamentos? Só Deus sabe! Ou estaria absorta olhando as nuvens e contando carneirinhos? Ah, já sei. A bonita jovem declama mudamente uma poesia de Cecília Meireles: "O choro vem perto dos olhos/ para que a dor transborde e caia / O choro vem quase chorando /como a onda que toca na praia..."

Ela cruza os braços. Não me parece estar com frio... uma moça só e sozinha. Tão bonita e tão boa. Quem será? Uma banhista que nem desconfia que é o centro das atenções e desejos incontidos de um poeta que, sem assunto, acessa no final de tarde, de um fim de domingo, um site de um jornal.

Nenhum comentário: